Mulher mantida em cárcere privado por 20 anos é de Jesuítas

Postado em: 26-06-2019

Iva da Silva de Souza, de 63 anos, saiu do Paraná em busca de uma vida melhor na cidade de Vinhedo, interior de São Paulo. Ela trabalhava como cuidadora, não recebia pagamento e era mantida presa em dois cômodos nos fundos de uma residência. Iva não podia manter contato com ninguém e vivia em situação análoga a de escravo.

Os donos da residência foram presos na segunda-feira, 24. Os acusados, Écio Pilli Júnior, de 47 anos, e Marina Okido, de 65 anos, usaram os documentos da vítima para abrir conta em banco e emitiram cheques sem fundo. A Polícia Militar chegou à casa dos suspeitos por conta dos golpes no comércio. Eles ainda tentaram disfarçar, e a vítima foi levada a Delegacia.

A família de Iva que é da cidade de Colorado, no Paraná, havia dado queixa à polícia, no fim da década de 90, mas desde então não teve notícias. A mãe da vítima é moradora de Jesuítas.

Iva relatou aos policiais que era mantida presa e obrigada a cuidar de uma idosa de 88 anos, em troca de alimentação. Além de cuidar da casa, ela era obrigada a fazer as tarefas de casa. Durante o depoimento ela ainda relatou que apanhava do casal.

O casal foi indiciado em inquéritos por estelionato, tortura e cárcere privado. A vítima foi encaminhada para um abrigo municipal. A polícia tenta contatar os familiares dela no Paraná. (Policial Web).